Postado por: Rubens Ennes sexta-feira, março 6



Se esporadicamente, fazer o que sentimos vontade já nos traz problemas, e quem é que já não se viu em maus lençóis por causa do tentador “só mais cinco minutinhos” de sono; imagine que trágico será o resultado em nossa vida se vivermos dando ouvidos a maldita voz do nosso coração.

Certamente, você já conheceu alguém que ficou preso durante anos a um relacionamento doentio, sendo traído e agredido verbal e fisicamente e mesmo assim, tolerando tudo em nome dos “bons” momentos vividos juntos, momentos onde ela pode se sentir a pessoa “mais feliz desse mundo”. A pessoa pensa que assim como ela se sentiu tão bem quando lhe foi dada uma atenção a mais, então, a razão de sua infelicidade deve estar na ausência de atenção e carinho no relacionamento. É como se a felicidade dela dependesse do tanto de atenção que recebe do cônjuge.

Entretanto, ao seguir este raciocínio burro, a pessoa passa a fazer de tudo para receber mais atenção, mendiga amor e se sujeita a absurdos por alguém que nunca vai mudar, pelo simples fato de não ver nenhuma razão para isto, afinal, mesmo pisando e humilhando, ainda tem alguém rastejando aos seus pés. A necessidade de se sentir especial leva a pessoa a fazer loucuras, vivendo como se compensasse tudo o que suporta, mesmo que sejam por míseros momentos alegres ou românticos proporcionados de vez em quando.

A pessoa se recusa a pensar que no tempo que gastou dando murros em ponta de faca, perdia inúmeras oportunidades de ter um futuro diferente, inclusive, de ter conhecido uma pessoa que iria respeitá-la e amá-la verdadeiramente. Muitas pessoas permanecem sofrendo por estarem decidas a nem pensar nas consequências de suas escolhas para evitar o trabalho de ter que renunciar aquilo que estão sentindo ou aquilo que tanto gostam. O conceito mundano de felicidade é assim, considera e valoriza apenas o que está se sentindo no momento, mas, não se importa nenhum pouco como tudo irá terminar.

“Os néscios são mortos por seu desvio, e aos loucos a sua impressão de bem-estar os leva à perdição. Mas o que me der ouvidos habitará seguro, tranqüilo e sem temor do mal.” (Provérbios 1.32-33)


Ao confundir sensações ilusórias com a verdadeira felicidade, a pessoa está se jogando de cabeça em um abismo profundo, dependendo cada vez mais de coisas ou pessoas que até produzem, mesmo que momentaneamente, sensações de prazer, alegria e satisfação, mas, que não são saudáveis e nem contribuem para que se alcance a real felicidade. Somente quando damos ouvidos a Palavra de Deus, sem considerar o que sentimos, evitamos decepções e caminhamos de mãos dadas com a felicidade, apesar das dificuldades que surgirão em nosso caminho. 















Deixe o seu comentário:

Para o Sentido Único, a sua opinião sobre o tema em questão é muito importante. Deixe seu comentário!

Avise-me sobre novas publicações | Avise-me sobre comentários seguintes por email

Receba as novidades do Blog em seu e-mail

Mantenha-se informado e atualizado

+ Recentes

Arquivos do blog

Sentido Único ©Copyright - Todos os direitos Reservados.. Tecnologia do Blogger.

Copyright © Sentido Único | Seguindo Sempre na Direção do Céu