Postado por: Rubens Ennes quarta-feira, abril 24







A evolução seria um fato somente em uma escala muito pequena. É fantasia quando usada para explicar como as plantas e os animais passaram a existir ou como os seres humanos supostamente evoluíram de ancestrais semelhantes a macacos. Podemos resumir a fantasia dizendo que onde a teoria da evolução é verdade, não é muito interessante, e onde é muito interessante, não é verdade.

Se a ‘’evolução’’ se refere meramente a um processo de variação cíclica em resposta à mudança das condições do ambiente, então a evolução é um fato que pode ser observado, tanto na natureza como em experimentos de laboratório.
Por exemplo, quando um grupo de insetos é borrifado com um produto químico mortal, como DDT, os insetos mais suscetíveis morrem, porém os mais resistentes ao veneno sobrevivem para gerar e deixar descendentes, que herdam os genes que fornecem resistência. Depois de várias gerações de insetos borrifados, toda a população sobrevivente pode constituir a variedade resistente ao DDT, e alguma nova forma de controle de insetos terá que ser aplicada. Essas mudanças, no entanto, não são permanentes, porque os mosquitos resistentes são mais ajustados do que os outros somente enquanto o inseticida for aplicado. Quando o ambiente ficar livre do produto químico tóxico, toda a população de insetos tende a reverter ao que era antes.

Um efeito similar explica como uma bactéria que causa doenças se torna resistente a antibióticos, como a penicilina que, então, não serão mais tão eficazes no controle da doença como eram anteriormente.

É ilusório descrever as variações adaptativas como ‘’evolução’’, porque esse último termo se refere comumente à macro evolução. A macro evolução é a grande história de como a vida supostamente evoluiu, por processos puramente naturais, de origens muito simples, para se tornar em plantas e animais complexos e multicelulares, e até mesmo seres humanos, sem que a participação de deus seja necessária em qualquer etapa neste processo.

Charles Darwin supôs que a macro evolução era meramente a micro evolução estendida por períodos muito longos de tempo. Os livros didáticos de Biologia, os museus e os programas de televisão, ainda ensinam as pessoas a fazer a mesma suposição, de modo que os exemplos da micro evolução são usados como uma prova de que os animais complexos, e até mesmo os seres humanos, evoluíram de organismos mais simples por um processo similar.

A principal falha na história da macro evolução é o fato de que todas as plantas e os animais estão cheios de informação – as complicadas instruções que coordenam os muitos processos que permitem que o corpo e o cérebro funcionem. Até mesmo Richard Dawkins, o mais famoso defensor da teoria de Darwin, admite que cada célula em um corpo humano contém mais informação do que todos os volumes de uma enciclopédia, e cada um de nós tem trilhões de células no corpo, que têm de trabalhar juntas, em maravilhosa harmonia.

A maior fraqueza da teoria da evolução é o fato de que a ciência ainda não descobriu um processo que possa criar toda a informação necessária, que possa ser assemelhado ao programa que opera um computador. Sem esse tipo de processo criativo demonstrado, a evolução é meramente uma historia, porque o seu suposto macanismo não pode ser duplicado em um laboratório, nem observado na natureza. É verdade que existem padrões de similaridade entre as criaturas vivas. Por exemplo, os seres humanos, os macacos, os ratos, os vermes, e até mesmo as plantas têm muitos genes similares. A questão importante não é se existem similaridades entres todos os seres humanos, mas se estas similaridades entre todos os seres humanos, mas se estas similaridades acontecem por meio de um processo natural, semelhante aos exemplos observáveis da variação adaptativa que encontramos em livros didáticos e exibições de museus.

Um engano que os cristãos sempre cometem, no debate da evolução, é enfrentar muitas questões de uma vez, em lugar de iniciar com o problema mais importante e solucioná-lo em primeiro lugar. Por exemplo, a evolução exige uma escala de tempo de muitos milhões de anos, ao passo que muitas pessoas entendem que a Bíblia admite uma história da Terra de apenas alguns milhares de anos. A escala de tempo evolutiva é discutível, mas discuti-la envolve varias disciplinas cientificas complexas, e desvia a atenção do defeito mais importante na teoria da evolução. O único mecanismo que os evolucionistas têm é uma combinação de variação aleatória e seleção natural, ilustrada pela sobrevivência dos insetos que, por acaso, são resistentes a um inseticida. Este mecanismo darwiniano nunca provou ser capaz de criar nova informação genética ou novas partes complexas do corpo, como asas, olhos ou cérebros. Sem um mecanismo que possa ser demonstrado como capaz da criação necessária, a teoria da evolução é apenas uma fantasia, sem bases cientificas reais.

A Bíblia ensina: “No principio, criou Deus”, e “No principio, era o Verbo”. Uma maneira simples de explicar esse principio básico é dizer que uma inteligência divina existia antes de qualquer outra coisa, e essa inteligência foi responsável pela origem da vida e pela existência de todas as coisas vivas, incluindo os seres humanos. Não importa quanto tempo pudermos conceder para que a evolução faça a criação necessária, a evidência mostra que o processo nunca teria começado, porque tudo o que a evolução pode fazer é promover variações de pouca importância em organismo que já estão vivos, sem nenhuma modificação na sua classificação básica. Quando a 

Bíblia diz: “No principio, criou Deus” (Gn 1.1), ela nos está apresentando um fato, que precisamos conhecer para entender todo o resto, incluindo para que fomos criados e como Deus deseja que vivamos.

A Bíblia também diz que Deus criou os homens e as mulheres à sua imagem. Isso também é um fato. Se não fosse verdade, não haveria ciência, porque nenhuma teoria da evolução pode demonstrar como a inteligência passou a existir, incluindo a inteligência de pessoas mal orientadas, que usam a ciência de maneira equivocada para tentar explicar a criação, sem atribuir nenhuma participação a Deus.
“No principio, era o Verbo”. A Bíblia diz isso e, se entendida de maneira apropriada, a evidencia da ciência a confirma. Quem quer que diga algo diferente estará espalhando fantasia, e não fato.

Phillip E. Johnson















Deixe o seu comentário:

Para o Sentido Único, a sua opinião sobre o tema em questão é muito importante. Deixe seu comentário!

Avise-me sobre novas publicações | Avise-me sobre comentários seguintes por email

Receba as novidades do Blog em seu e-mail

Mantenha-se informado e atualizado

+ Recentes

Arquivos do blog

Sentido Único ©Copyright - Todos os direitos Reservados.. Tecnologia do Blogger.

Copyright © Sentido Único | Seguindo Sempre na Direção do Céu